Aprenda a meditar, excelente video

MSG

Quem Somos

Somos pessoas que acreditam na liberdade de expressão, pessoas que possuem a mente aberta e que independente da raiz estelar que podemos ter vindo, acreditamos que todos somos 1, Amamos a fonte Criadora, amamos a Natureza e a viva mãe Gaia (Terra), não possuímos qualquer placa religiosa por entender que as pessoas se unem pelo amor e não pela placa, no final das contas somos meros 22 gramas nem mais nem menos, o que importa eh a luz que conseguimos irradiar.
Acreditamos sim ter nossas raízes vinda das Plêiades, mas acima disso, acreditamos no poder do infinito onde entendemos que somos mágicos e que a vida tanto na terceira dimensão como em outras eh sempre uma lição a qual vamos sempre aprender coisas novas e fazer novos amigos/irmãos.
Bem Vindos ao Blog dos Plêidianos com AMOR os Saudamos sintam-se em casa.
Luara, Graciano, Priscila e Raquel
❥✫✫✫...¸.•°*”˜˜”*°•.ƸӜƷ ...❥✫✫..¸.•°*”˜˜”*°•.ƸӜƷ ♥ ░░ ♥ ♪ღ♪ ❥✫✫✫...¸.•°*”˜˜”*°•.ƸӜƷ ...❥✫✫..¸.•°*”˜˜”*
Dica: Ouçam nossa playlist ;)


Seja Feliz !

Seja Feliz !
Seja Feliz !

sábado, 21 de julho de 2012

Os Seres Elementais





• Reino Elemental

O plano físico etérico e astral também são muitíssimos habitados por criaturas que seguem uma linha de evolução paralela à humana, a linha elemental ou linha Dêvica e que, apesar de serem desconhecidas pela maior parte da humanidade, que as citam apenas como personagens de contos lendários, são reais e desempenham um papel primordial na natureza terrena.

A linha de evolução elemental tem uma estreita ligação com os elementos da natureza e com eles encontram-se em conjunção, atuando simbioticamente com os mesmos, no sentido de agregarem e potencializarem seus impulsos desenvolvimentistas. Sendo assim vemos, por exemplo, as fadas de jardim atuando frenetica e animadamente sobre todo o ser vegetal que ali se encontra, ajudando os seus crescimentos, em todos os sentidos.

Essa íntima relação com os elementos da natureza fazem de si extremamente diferentes uns dos outros o que levou a humanidade a classificá-los com diferente termos, atribuindo aos seres relacionados com o elemento terra as denominações de elfos, gnomos, duendes e trolls, aos ligados ao elemento água de ondinas, nereidas ou sereias, ao fogo, de salamandras e ao ar, de silfos, sílfides ou hamadríades. O termo fada é genérico é pode ser aplicado a qualquer uma dessas categorias (ex: fadas da terra, fadas do ar, fadas do fogo e fadas da água).

 

O estágio de evolução dos espíritos da natureza varia muito, dependendo da criatura avaliada. A maior parte dos espíritos da terra, da água e do fogo ainda não se encontra individualizada (não possuem corpo causal individual), sendo animadas por uma alma grupal, e se situariam no estágio animal de evolução, se comparada a linha humana, apesar de frequentemente se apresentarem mais inteligentes do que a maioria dos animais conhecidos. À classe dos espíritos do ar pertencem os silfos ou sílfides que são entidades que já conseguiram a individualização de seus egos e se encontram no nível de evolução hominal.

Os integrantes da linha evolucional elemental tem concepções vivenciais completamente diferente da dos humanos e não entendem certos conceitos e nosso modo de vida. Primeiramente, os espíritos da natureza nunca morrem, ao invés disso, passam, após longos períodos, por etapas evolucionárias distintas, onde vão ocupando posições diferentes, na hierarquia elemental. Em segundo plano, eles não são expostos (e também não compreendem) às series de atribulações e rotinas ilusórias as quais os humanos encontram-se submetidos.

Via de regra, a linha de evolução elemental, em termos temporais, tem um período de duração maior, em relação à humana, que é bem mais rápida e turbulenta.

No topo da evolução elemental, no mesmo nível dos Anjos e Arcanjos, oriundos da evolução humana, encontramos os Devas ou Anjos, seres de indescritível sabedoria, beleza e esplendor, e que se ocupam da evolução do planeta e de todo o reino elemental.

http://www.conscendo.org/textos/sodalitas/texto58.asp

Nenhum comentário:

Postar um comentário